Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

18 de julho de 2010

Poemas de Arriete Vilela

POEMA N. 21

Arriete Vilela

Hoje farejas indícios
de novas trilhas,
velas o teu coração tornado
ríspido, brumoso,
e vais às praças públicas colher
um súbito rosto.

Hoje tenho nos olhos
somente a dança das
estrelas cadentes
fazendo-se mar e poesia:
a minha melhor
porção diária de vida.


POEMA N. 26

Da janela sobre o mar,
sem saudades eu dou adeus
a mim mesma;

faço-me outra,
e nova.

Quero trazer-me alegre
à luz do dia ou da noite,
sossegar-me nas trovoadas,
evitar as esporas do vento
nos meus cabelos.

Inútil esforço,
Sei. Aos meus olhos
ola-se, diariamente,
uma alma de estopa áspera,
embora rara.


POEMA N. 28

Os meninos de rua
Parecem pardais urbanos:

em ligeiros vôos
acham-se em toda parte,
aproveitam restos de toda sorte.

Tropical
é algazarra de suas vozes,
quando se ajuntam;

seus gestos e jeitos,
de uma graça desavisada,
assustam e comovem.

Atentíssimo dever ser
o anjo da guarda dos meninos de rua,
esses tantos pardais urbanos.

POEMA N. 29

Vou me sabendo sem remansos.
Por vezes o mar estronda
dentro de mim
e tempestades medonhas me obrigam
a descer aos porões, a reconhecer-me
nas escotilhas fechadas da minha
incômoda solidão.

Difícil reconhecimento, porém.
Eu já sou muitas.
Meus olhos, é verdade,
ainda se mantêm amorosamente
indiscretos, e minha alma busca
da palavra as seduções segredosas
que me ardem no peito.

Mas já não me deixo
Possuir.

14 comentários:

  1. BOA NOITE AMIGOOO!!!VIM AQUI NO SEU CANTINHO LHE AGRADECER PELA SUA PRESEÇA EM MEU BLOG E POR SER UM DOS MEUS SEGUIDORES.AMEI SEU BLOG.DESEJO Á VC.UMA SEMANA CHEIA DE ÊXITOS!!BEIJOS MEUS!!!

    ResponderExcluir
  2. Iremar, o poema 26 e o 29 calou fundo em minha alma. As vezes penso...como pode a escrita falar tão intensamente em nossa essência?
    Sou feliz em ter achado teu espaço que sempre me satisfaz a alma.
    Em tempo deixo um trecho que não sai de minha mente: "Difícil reconhecimento, porém.
    Eu já sou muitas."

    Axé

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, amiga Beautiful!!! Agradeço-lhe por sua visita, por amar e por seguir o Bestiário.
    Seu blog é belíssimo, a demonstrar que o erotismo, com bom gosto, claro, como você faz,
    também é a melhor poesia.
    Tenha uma semana repleta de conquistas!
    Beijos pra você!!!

    ResponderExcluir
  4. AMIGA!!! É uma satisfação imensa para mim,
    através deste Bestiário, proporcionar
    emoções a você, pela poesia.
    Sou grato a você, mais uma vez, pelo reconhecimento, e mais satisfeito ainda
    por ser também através dos poemas
    de Arriete Vilela.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Iremar!
    Voltei para minha visita diária ao seu espaço e...hoje me designei a ler teu perfil com maior solicitude.
    Não é que fiquei interessadíssima nos livros que você irá publicar!!!
    Os títulos me deixaram deveras curiosa.
    Bom dia e parabéns por tudo.

    ResponderExcluir
  6. Boa dia, Amiga!
    Que bom que os títulos dos meus futuros livros lhe agradam! Chegará o tempo de publicá-los.
    Uma leitora eu sei que já tenho para eles. rs.
    Sou muito grato por suas visitas e sua gentileza!
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Olá Iremar
    Passei por aqui e adorei esse "Poema 29" ^^
    Não é ruim descermos aos nossos "porões" para saber o que há guardado por lá.
    As vezes eles podem guardar um baú de tesouros! rsrs
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Olá, Sél
    Que bom o poema cumprir o papel
    de nos ajudar a nos conhnecer melhor!
    Agradeço por sua visita a apreciação
    dos poemas do Bestiário.
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Volte a nos presentear com novos textos Iremar.
    Saudades!

    Axé!!!

    ResponderExcluir
  10. Oi Iremar, finalmente!, depois de "um longo e tenebroso inverno"(rrss) eis que apareceste lá no
    "cirandeira", não é? Sempre passo por aqui, embora não deixe o "meu rastro". É sempre bom
    recebermos a visita dos amigos, mas quando eles
    não dão o ar de sua graça, não temos razão para visitá-los também. Respeito muito uma frase que minha mãe costumava dizer: "quem à minha casa não vai, da sua me corre"!
    Bom, depois desse "prolegômeno" todo, kkkkáá, quero dizer que gostei muito da poesia de Arríete Vilela. Ãinda não a conhecia, ela é alagoana? Temos muitos talentos pouquíssimo conhecidos. Estás de parabéns por divulgá-los.

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Pois é, cirandeira. Gostei do prolegômeno.
    Estou lhe visitando sempre.
    Mesmo não sendo frequente nos comentários.
    A poeta Arriete Vilela é alagoana,
    professora de Literatura da Universidade
    Federal de Alagoas e tem vários livros publicados.
    Sou também grato por seu reconhecimento.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Boa Tarde.
    Retribuindo a visita no meu blog.
    Estarei sempre por aqui também.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Bom Dia, Beth,
    Estamos nos visitando sempre!
    Sou muito grato a você.
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Olá, Iremar Um lindo cântico ao Amor!... como um fresco sopro de Primavera... Meus parabens Poeta.

    Agradeço sua visita que me deu a oportunidade de o ler... Obrigado!

    Agradeço de coração por fazer parte do meu vinculo de amizades, adorei seu blog, fica com Deus!!bjs ...

    ResponderExcluir