Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

6 de julho de 2010

Melhores poemas que eu li

Desmantelo azul

Carlos Pena Filho

Então pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas
depois vesti meus gestos insensatos
e colori as minhas mãos e as tuas

Para extinguir de nós o azul ausente
e aprisionar o azul nas coisas gratas
Enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas

E afogados em nós nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço

E perdidos no azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul: azul.


A encantação pelo riso

Velimir Khléblinikov

Ride, ridentes!
Derride, derridentes!
Risonhai aos risos, rimente risandai!
Derride sorrimente!
Risos sobrerrisos - risadas de sorrideiros risores!
Hílare esrir, risos de sobrerridores riseiros!
Sorrisonhos, risonhos,
Sorride, ridiculai, risando, risantes,
Hilariando, riando,
Ride, ridentes!
Derride, derridentes!

1910
(Tradução: Haroldo de Campos)


Subversiva

Ferreira Gullar

A poesia
Quando chega
Não respeita nada.
Nem pai nem mãe.

Quando ela chega
De qualquer de seus abismos
Desconhece o Estado e a Sociedade Civil
Infringe o Código de Águas
Relincha
Como puta
Nova
Em frente ao Palácio da Alvorada.

E só depois
Reconsidera: beija
Nos olhos os que ganham mal
Embala no colo
Os que têm sede de felicidade
E de justiça.

E promete incendiar o país.

6 comentários:

  1. Muito lindo o texto "desmantelo azul". É uma poesia pintada pelo poeta, vista e sentida pelo leitor.

    Escolhestes bem os três textos. É sempre bom vim aqui conhcer um novo texto. Ou um autor q antes ignorava.

    abraços

    ResponderExcluir
  2. Olá...

    Adorei teu blog. Seja bem vindo ao meu.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Boa Tarde Iremar!
    É simplesmente delícioso navegar em seu espaço e degustar tantas coisas boas.
    Obrigado por estar me seguindo, estou seguindo você também.
    Ferreira Gullar tinha toda razão ao se referir a poesia e sua afã ao chegar; assim como o amor que chega aos galopes e sem pedir licença e somente aos poucos vai se consolidando e se tornando maduro e sem tanta exaltação.
    Lindo poema amei!

    Axé

    http://diario-porto-solidao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Michele,
    Seu blog é uma riqueza cultural,
    pela variedade de pessoas e temas focalizados.
    Parabéns! Sou grato por sua visita.
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Amiga,
    É muito interessante a analogia que você faz com a chegada do amor e da poesia.
    Vamos nos seguir!

    ResponderExcluir