Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

20 de junho de 2010

Novos poemas de Cicero Melo

Enquanto nos apunhalamos

Cícero Melo

O que é a guerra, senão
Um assalto à mão armada?
Toda paixão quando acaba
A mão sedosa da amada?

O que é a guerra, enfim?
Uma ternura viscosa,
Uma neblina sem fim,
A rosa no fim da rosa.



O jogo

Cicero Melo

Está se aproximando o último sono.
Aquele que nunca sonhei,
E ninguém quer sonhar.

Mas, uma cama ou qualquer horizontal
Nos fará ir, ir, ir, dormir.

"Mãe, ainda é cedo! Deixe-me jogar mais um pouco!"



Sombra

Cicero Melo

Havia uma mulher fora do espelho
Em que habitava meu corpo esquecido.
Havia uma mulher fora de mim.

Havia, com certeza, uma mulher lá fora.

Não digam que sonhei. Havia uma mulher
Fora de mim. E eu a amava.

Havia uma mulher fora do espelho
E dentro dela outro espelho havia.

14 comentários:

  1. Olá gostaria de convidá-lo a conhecer meu trabalho através do blog Ecos do Teleco Teço (WWW.ECOSDOTELECOTECO.BLOGSPOT.COM) . Grande abraço e sucesso com sua proposta !! Axé

    ResponderExcluir
  2. Amigo! Acredito que ele sentia como se tivesse uma mulher dentro dele, com certeza pela sensibilidade que trazia, e talvez nao fosse entendida. .. coisa de poeta!
    Boa nt e excelente domingo ;

    ResponderExcluir
  3. Amiga Sylvia, muito sensível sua apreciação da sensibilidade do poeta. Feliz domingo pra você!

    ResponderExcluir
  4. Amigo Fábio, estou acompanhando seus ECOS. Parabéns! Agradeço por sua visita a este Bestiário

    ResponderExcluir
  5. Oi..tudo o que escreve é de rara beleza..

    Tem uma delicadeza...eu nem consigo expressar o que sinto...mas me comove...

    Um grande abraço!
    (sinto muito pela tragédia no seu est. e tb na cidade de Palmares)
    Zil

    ResponderExcluir
  6. Zil Mar, comover você com os poemas do blog é uma grande honra, como também sua expressão de generosidade na apreciação.
    Agradeço por sua solidariedade a nossa região atingida pelas enchentes.
    Abraços,

    Iremar

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante o poema. A estrofe que mais gostei:

    Havia uma mulher fora do espelho
    E dentro dela outro espelho havia.

    Na minha imaginação consigo vislumbrar uma pintura surreal.


    *Obrigada pela visita e pelo comentário. Volte sempre que quiser.

    ResponderExcluir
  8. Stéfani,
    Sou grato por suas visita e apreciação
    do poema de Cícero Melo neste Bestiário.
    Volte também.
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Se isto é classificado como besteira! O que tens guardado de pior?
    Muito grato por seguir o meu BLOG.
    Feliz São Pedro (SEM CHUVA)

    ResponderExcluir
  10. Iremar,

    por que você não aproveita para ensinar a este "povo" o que é BESTIÀRIO. Dio mio!

    ResponderExcluir
  11. Caro Biagio,
    Sua apreciação dos poemas deste Bestiário
    me deixa lisonjeado.
    Agradeço por sua visita e vamos nos seguir!
    São Pedro diminuiu um pouco
    as chuvas por aqui.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Vim retribuir a visita e me surpreendi com poemas lindos!
    Um beijo e obrigada por ler meu blog!

    ResponderExcluir
  13. Sou muitíssimo grato por suas visita e apreciação destes poemas. Seu blog é belíssimo!

    ResponderExcluir
  14. Olá, Karol,
    Leio seus blogs e seu Face,todos belíssimos!
    Agradeço pela sua visita e apreciação dos poemas deste Bestiário.
    Beijos

    ResponderExcluir