Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

24 de maio de 2017

Poema de Jorge Cooper


Mundaú (a Lagoa)

Jorge Cooper

Ontem
deu-me de rever a Mundaú
O sol ainda era a metade
no outro lado do mundo
e já nos galhos do mangue
às centenas posava de sangue-de-boi 
o aratu
- Mas por lá não vi as canoas 
nas coroas de sururu

É que a Mundaú imerge 
torna-se quimera 
pântano
lamarão da lagoa que era
- Nem sequer continua a ser
o poema à miséria

Lágrima seca nos olhos do povo
esperança enganada
- a Mundaú se faz chão
Mais nada


"Jorge Cooper, pela sua poesia sem arremedos provincianos, destituída de ranços acadêmicos, situa-se no limite entre os “Metaphisical poets” e o lirismo cavalheiresco e palaciano da poesia trovadoresca dos Minnesanger alemães da Idade Média. Isto tudo com pitadas dos goliardos, “poemas proletários”, pois Cooper, em momento algum, sacraliza a oralidade burguesa." (Marcos de Farias Costa – “Jorge Cooper: o Minnesanger Alagoano” – Artigo publicado no Jornal de Alagoas, em 21 de abril de 1987.

3 comentários:

  1. "Lágrima seca nos olhos do povo
    esperança enganada
    - a Mundaú se faz chão
    Mais nada"

    ResponderExcluir
  2. Uma beleza levando a outra beleza... Que belo, isto, hein, Ana!

    ResponderExcluir