Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

22 de julho de 2013

Para um amor perdido

Ubirajara Mello de Almeida

Desejava apenas a forma
esculturada nas lembranças
pra saciar a sede da memória
quando um corpo sobre outro corpo
desemboca num lago inebriante
de pragas incestuosas.
A visão do espetáculo
acalmava-me na polução
angustiada dos desejos.
Na solidão do copo de wísque
bebo goles desesperados
na diluição sonora dos gemidos.
Agarro-me a sombra molhada nos lençóis
para acalmar os sentidos
que se devoravam na agonia
da volúpia nas últimas tensões.
Decantei em vão o suor
que escorria pelos transes epiléticos
para a embriaguês das manhãs delicadas
de odores alucinatórios.
Escorregava pelas pernas
perfumadas de prazeres onde jaz
o segredo da eternidade
na busca da comédia humana
enclausurada na perversão.
O que fazer com o sentimento
a envenenar-me na medida do desespero?

4 comentários:

  1. Dura pérdida...un hueco de angustia...ansiedad que traga..devora..UN abrazo. carlos

    ResponderExcluir
  2. Enhorabuena, Carlos Augusto por su comentário y enhorabuena, Ubirajara Mello por su bella poesía.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  3. Iremar, seu poema está recheado de sedução, volúpia e prazer.
    você usou muito bem as palavras para dizer sobre seus sentidos.
    Belo poema.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir