Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

8 de maio de 2010

Poema de Cícero Melo

Para mamãe fazendo uma omelete

Mamãe, eu te reflito como um lago
A cor do céu estende na água clara.
No teu olhar esconde-se minha alma,
Quando cansado de viver naufrago.

E quando a solidão, à noite, afago,
A noite crespa que me fere a palma,
Meus cabelos de dor teu canto espalma,
E, menino de novo, durmo e vago.

Mamãe – foi tão errada a rota e vã
A batalha tecida em meu afã,
Que de tanto morrer não me sei morto;

Pois, sempre que me vejo ao léu da vida,
Busco-te a vela que não sei perdida,
Ó nau primeira do primeiro porto!

(Este soneto foi escrito em 09/05/87. Minha mãe morreu no Natal do ano passado. C.M.)

2 comentários:

  1. Belo Soneto leio dedicado a uma Mae.
    Perdoa-me, estou em New York, e meu teclado e americano, sem acentos.
    Efigenia Coutinho

    ResponderExcluir
  2. Efigênia,
    Agradeço, também pelo Cícero Melo, sua apreciação sobre o belo poema dele.
    Tem nada não, internet é assim mesmo, sem acentos, mas todo mundo entende.
    Abraços,
    Iremar Marinho

    ResponderExcluir