Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

4 de dezembro de 2009

Meus poemas

Para Lêdo Ivo ao modo de Sidney Wanderley

Iremar Marinho

Ninguém sai do poema de Lêdo
Sem o mar estético
Sem as várzeas fluidas
Sem as raparigas do Cavalo Morto

Ninguém sai do poema de Lêdo
Sem lama lacustre
Sem dormir com as putas
Dos velhos sobrados
De Jaraguá redivivo

Ninguém sai do poema de Lêdo
Sem o açúcar bruto
Do porão das naves
No porto ancoradas

4 comentários:

  1. Uma bem lembrada homenagem a Ledo Ivo.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Caro Pedro Luso,

    Lêdo Ivo, um dos grandes da poesia (Imortal da Academia Brasileira de Letras), ainda é quase um estranho (no ninho de cobras), em sua terra. Louve-se a Braskem que publicou Poesia Completa (1940-2009) de Lêdo Ivo.
    Sou grato por sua visita e comentário.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Uma forma magnífica de entrar num poema ou na poética de um escritor e não fechar a porta ao sair.
    Dedos impregnados de palavras e repletos sentidos.

    Toda homenagem a um poeta vira ode.

    Um abraço.

    Katyuscia.

    ResponderExcluir
  4. Poeta Katyuscia,

    Agradeço por sua apreciação!
    O mundo precisa de Kanauã Kaluanã!

    Abraços,

    Iremar

    ResponderExcluir