Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

27 de outubro de 2009

Poemas de alagoanos

Felicidade

Jorge de Lima

Tão bonita a Lagoa Mundaú!
Eu vi os meninos pobres que iam tirar sururu.
Um bando deles. Uns tinham doze ou treze anos e pareciam ter oito.
Amarelos. Perto da Satuba tem um massapê ótimo.
Eles amassam, amassam, fazem balas.
Cozidas são mais gostosas que sururu.
E quem não sabe comer barro não sabe tirar sururu, com gosto.
Comer terra! Quando a bala vermelhinha cor de telha toca na
língua a boca se enche d’água para a bala se embeber.
Os meninos amarelos têm água por demais na boca.
Gosto de terra não é gosto de comida, de sal, de açúcar, de carne.
É gosto diferente. De terra! É um gosto doente como gosto de maleita.
Também quem não tem maleita não sabe tirar sururu com gosto.
O frio da maleita não se importa com sol nem com chuva
nem com o frio que está por fora da gente, no ar.
É um frio que vem de dentro.
Dá-se a mão e a mão está com 40.
Mas o frio é bom porque é diferente dos outros frios.
Os meninos que vão tirar sururu têm os olhos sumidos.
Mãe-maleita dorme com eles no jirau de pau-cundu.
Mãe-maleita dá-lhes sonhos de febre.
Os meninos sonham coisas doidas.
Que uma inglesinha que passou uma vez
numa lancha-automóvel veio urinar no massapê.
Eles sentem o gosto da inglesinha,
sonhando com o gosto do massapê mijado.
Têm outros sonhos, todos gostosos.
Os meninos tiram sururu com gosto. Ao meio dia o sol tine.
A água está morna e suja.
Ali pertinho já é a lama do sururu. Que gosto pisar na lama!
É diferente de pisar nas praias, na neve, na grama.
Os pés dos meninos têm sensibilidades inéditas.
A lama abarca o pé, entra entre os dedos,
mais grossa do que baba de boi, gruda-se na pele,
dá uma coceira boa nas frieiras.
Os meninos entram mais. A lama sobe.
É uma carícia peganhenta pelo corpo.
As mãos descem na lama. As canoas afundam de sururu.
O sol está tinindo, mas ninguém sente calor.
Tudo é bom. A miséria é boa. A lama é amorosa.
Parece que a vida é uma feitiçaria de sonho de maleita.

15 comentários:

  1. Oi Iremar

    Lancei um desafio no meu blog,gostaria de ve-lo por lá dando sua contribuição

    Um abraço

    Julimar

    ResponderExcluir
  2. Oi, Julimar,
    Nem sei ainda que desafio é o seu,
    e vou para lá, agora.
    Obrigado pela visita, e ma acompanhe aqui.

    Iremar

    ResponderExcluir
  3. Oi...

    obrigada pela visita em meu blog...
    Adorei estar aqui com você..

    Beeejo e boa sexta!

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Eu que agradeço pela sua visita a este Bestiário.
    Parabéns pela sua belíssima página de
    Essências...

    ResponderExcluir
  5. Olá, Iremar vim retribuir a sua visita ao 'inspirar-poesia'. Eis que de 'bestiário' aqui não tem nada porque o que encontrei foi poesia natural da melhor qualidade. Poesia acerca da vida, nua, crua e bela. E você difundindo palavras e espalhando a poesia dos amigos.
    Obrigada pela visita e adesão ao blog.
    Sempre que desejar voltar, por favor, compartilhe conosco as suas impressões, percepções e sentimentos acerca dos textos.
    Abraços e bom final de semana

    ResponderExcluir
  6. Olá, Mai,
    Tudo bem, é que, como expliquei no início deste
    Bestiário, esta palavra tem múltiplos sentidos,
    e a que eu aproprio é a de conjunto de poesias,
    sem o sentido de antologia ou de qualquer
    critério literário, sobressaindo o meu gosto particular e os poetas/poesias que eu admiro, com destaque também para os de Alagoas.
    Emociona-me você considerar esta poesia
    natural, nua, crua e bela.
    Parabéns pelo seu belíssimo "Inspirar..."
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Iremar,


    Maravilhoso! Salve Jorge de Lima!


    Grande abraço,
    Adriano Nunes.

    ResponderExcluir
  8. Ei!
    Passando pra retribuir,
    conhecer
    e comentar depois com calma.
    Linda semana!
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  9. Gracias por compartir tanto sentimientos en poesia.Con cariño Victoria España

    ResponderExcluir
  10. Queridos Adriano, Reflexo D'Alma e Victoria,
    Agradeço por suas visitas e compartilharem
    do nosso Bestiário. Estou sempre com vocês,
    compartilhando conteúdos de seus belíssimos blogs

    Iremar

    ResponderExcluir
  11. Iremar, estou retribuindo sua visita ao meu blog. Gostei deste seu espaço de poesias e alagoanidades. Este Jorge de Lima é simplesmente maravilhoso, ou maravilhosamente simples.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Oi Iremar, vc passou lá pelo "cirandeira", deu uma espiada, mas não disse nada! Só percebí quando fui ao painel do blog...Por quê, poeta?
    Como dizia o Gonzaga: "faça isso não!"
    gostei demais daqui. Quanta poesia, e de excelente qualidade. Todas! Há algum tempo atrás
    andei procurando pela internet poetas alagoanos, sergipanos e paraibanos. Encontrei pouca coisa. E de repente aparece você. Que incrível. Não sou poeta, nem escritora, mas adoro ler, principalmente literatura e poesia. E gosto de divulgá-los. Acho que tem muita gente BOA por esse Brasil afora, que precisa ser mostrada.Vou confessar-te uma coisa: quando encontro essa gente, sinto um desejo irresistível de publicá-la em "meu" blog rrrssss Posso?
    Tive muito prazer em passar por aqui. Apareça, viu?
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. Querida Cirandeira,
    Que surpresa pela sua proposta e pelo seu estilo direto e despojado de dizer. Surpreende ainda uma pessoa assim dizer que não é poeta nem escritora.
    Seu blog é tão belo que deixei para me
    pronunciar nas visitas seguintes.
    Que maravilha você admirar os nossos poetas
    e procurar por eles para publicar.
    Ora, isso só nos envaidadece e agradecemos sim
    pela sua gentileza e generosidade.
    Sigamo-nos juntos.
    Abraços para você

    Iremar

    ResponderExcluir
  14. Querida Janaína,
    Agradeco-lhe por admirar este Bestiário de poesias e alagoanidades, incluindo o
    nosso poeta universal Jorge de Lima,
    que você tão bem qualifica de simplesmente maravilhoso ou maravilhosamente simples.
    Envaidece-me a tua visita.
    Parabéns pelo seu belíssimo blog.
    Abraços

    ResponderExcluir
  15. Sabe, o seu poema fez-me lembrar Manuel Bandeira!

    Um abraço

    ResponderExcluir