Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

3 de abril de 2010

Meus Poemas

Calvário nas ruas de Maceió

Iremar Marinho

Para que matar o Cristo,
todos os anos, nas ruas
de Maceió, como em Gólgota?
Não bastou a imolação?

Cada esquina, uma estação.
Velhas crentes, moços gaios
acompanham ao Calvário
o Cristo sem Cireneu.

A Rua do Sol é nova
Via Sacra: a turba quer
o Cristo crucificar,
sem dó nem apelação,

no Largo do Livramento
(diante do Bar do Chopp).
Mas o Senhor jaz (é morto!)
entre rubros paramentos.


Mourão

Iremar Marinho

Cavalgo potros etéreos,
vaquejando bois postiços,
na fazenda ilusória.

Abro porteiras, mas há
sempre mais terras cercadas
no grande cercado-mundo.

Pastam bois de Vitalino,
passam bois, passa boiada,
passa o cavalo do tempo.

Bate o baque da porteira,
passa o vaqueiro das horas,
passa o destino dos homens.

Minha cidade bovina,
na vaquejada ilusória,
rumina o pasto do gado.

O berro do gado-homem,
no curral do matadouro,
é meu destino cercado.

10 comentários:

  1. E ainda hoje, Iremar, um cristo é imolado em todos os cantos do mundo, e só em poesia o amor ressuscita e vive.
    abraços
    Boa Páscoa!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Mai, Boa Páscoa para você!
    E continuemos a luta
    pela ressurreição do amor e a poesia!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Iremar, pela visita! Conheci seus poemas, bem como seu excelente blog através do blog do poeta Carlas Maia, de Recife. Venho sempre aqui...
    Hoje, deixo minha marca!
    Adoro suas seleções de poemas...
    Além de gostar muito dos seus!!! Esses últimos, então, estão muitíssimo belos!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Luciana, sou muito grato a você pelas visitas, comentários e pela divulgação do meu blog
    e meus poemas!
    Eu gosto do seu gosto!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Meu velho amigo Iremar,

    Adoráveis estes últimos poemas, apesar de uma certa influência joãocabraldemelonetiana visível nos cujos. Mas, o que somos? A soma dos mortos e dos vivos.
    Traduzi alguns poemas de poetas ingleses e franceses da e da pós-modernidade. Caso você queira publicá-los neste Bestiário, é só dar o toque.

    Com a admiração, o respeito e a amizade de meio século.

    ResponderExcluir
  6. Grande amigo e poeta Cícero,

    "joãocabraldemelonetiana" é ótimo!
    Envie-me os poemas traduzidos por você.
    Será uma honra para este Bestiário
    publicar suas traduções e produções também.
    Meio século passou rápido, e nossos mútuos respeito e amizade continuam.

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Versos repletos de plenitude que despertaram meu espírito poético a navegar nos oceanos dos seus brilhantes poemas...
    Parabéns nobre poeta!
    Deus abençoe você e seus entes queridos.
    Beijos de poesias...
    Com apreço e reverencia,
    Cely, fã do teu belíssimo blog.
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  8. Querida Celylua, quanta gentileza e generosidade suas na apreciação deste blog e meus poemas!
    Agradeço, eu, que admiro tanto o seu belíssimo Blog das Letras!

    ResponderExcluir
  9. Cláudia comentou:
    Olá, Iremar.
    Parabéns. Gostei muito dos poemas. Continue escrevndo, seja sempre este poeta maravilhoso que você é, acendendo o fogo das nossas almas.
    Cláudia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Claudia,
      Poeta maravilhoso, e acendendo o fogo de almas, para mim é muito emocionante!
      Seu comentário é fruto de sua generosidade. Volte sempre. Abraços poéticos!

      Excluir