Loading...

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

31 de janeiro de 2010

Melhores poemas que eu li

Os ombros suportam o mundo

Carlos Drummond de Andrade

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes,
as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

6 comentários:

  1. Iremar já reservei o meu Jornal dos Bairros, para sábado
    http://alagoasreal.blogspot.com/2010/02/o-novo-jornal-dos-bairros-de-maceio-com.html

    Abraços e sucesso sempre

    Mário Augusto

    ResponderExcluir
  2. Ok, Mário,
    A edição chega do Recife, junto com o Jornal do Commercio, nesta manhãzinha de sábado, quando começamos a distribuir para toda Maceió,
    através das bancas.
    Muito gratos somos a você,
    que lê e divulga um veículo de imprensa independente que é de todos!

    Abraços,

    Iremar Marinho

    ResponderExcluir
  3. Caro Iremar,

    Gostei das matérias veiculadas na segunda edição do jornal dos Bairros, principalmente com Suruagy, só discordando do ponto de vista dele quando se refere que os escândalos divulgados pela imprensa não repercutem em votos!É a velha mentalidade dos políticos de carteirinha!?

    Outro ponto falho do mesmo é quando se refere ao Luna como uma curiosidade! Curiosidade de quem ?Talvez ele tenha razão por permanecer acostumado ao aspecto das deformidades eleitorais que tornam a política em capitanias hereditárias e os políticos em seus donatários.

    Não comento outras matérias para aguçar a surpresa e a curiosidade dos leitores , fazendo com que eles comprem ainda mais o jornal dos bairros

    Um abraço
    Mário Augusto

    ResponderExcluir
  4. Caro Mário,

    Até neste ponto, eu penso que o Suruagy está certo. O posicionamento político dele, de centro-direita, é claro. Mesmo assim, ele não disse que seria certo ou errado os esccândalos não repercutirem em votos. Está claro: a política de proximidade que esses políticos praticam em seus currais eleitorais é que constitui a blindagem a que Suruagy se referiu.
    Sobre Pinto de Luna, penso que Suruagy falou em curiosidade, em relação a densidade eleitoral, que ainda é uma incógnita para a maioria dos pré-candidatos.
    Por enquanto, eu penso: só não é curiosidade em relação a votos: Cícero Almeida, Collor e Heloísa Helena. O resto, é briga feia!!!

    A opinião e a divergência democráticas são salutares! Agradecemos a você pelos comentários!

    Abraços,

    Iremar Marinho

    ResponderExcluir
  5. Caro Mário,

    Sem essa de não comentar mais matérias do Jornal dos Bairros para aguçar a surpresa e a curiosidade dos leitores. Comente mesmo, e aponte o que encontrar de negativo para que possamos corrigir.
    Você bem que poderia ser o nosso ombudsman (de graça, que nós ainda não podemos pagar nada a ninguém!), descendo a lenha em cada edição, aí sim, aguçando a curiosidade dos leitores!
    Pena que o interesse e a repercussão despertada pelo Jornal dos Bairros não corresponda à nossa capacidade financeira para podermos ter as edições semanais, como planejamos.
    Aproveito para divulgar que precisamos do apoio dos leitores e da sociedade para firmar o novo veículo de comunicação que não depende de verbas oficiais (vamos tê-las, mas não poderemos depender delas, claro!).
    Todo apoio dos leitores e da sociedade é bem-vindo, e isto não nos constrange, porque é a própria coletividade que deve contribuir para manter as instituições que a ela devem servir.
    Bom. Mas, vamos todos à leitura da edição número 2, mesmo no carnaval, que, em seguida, começaremos a produzir a edição 3, ainda sem periodicidade definida.
    Mas, chegaremos lá!

    Abraços,

    Iremar Marinho

    ResponderExcluir
  6. maravilha de blog, obrigada pela visita e volte sempre.
    um beijo de bom dia!

    Sandra ( S.C. )

    ResponderExcluir